Programa Família Acolhedora


O QUE É O PROGRAMA FAMILIA ACOLHEDORA?

       O Programa Família Acolhedora consiste em cadastrar e capacitar famílias da comunidade para receberem em suas casas, por um período determinado, crianças ou adolescentes  em situação de risco pessoal e social. Dando-lhes acolhida, amparo, aceitação, amor, a possibilidade de convivência familiar e comunitária, garantindo atenção individualizada.

     Receber uma criança ou adolescente em acolhimento provisório não significa integrá-lo como filho. A família acolhedora assume o papel de parceria no atendimento e na preparação para o retorno à família de origem ou, na impossibilidade, na colocação em família substituta.
 
     Cada família acolhedora deverá acolher uma criança/adolescente por vez, exceto quando se tratar de grupo de irmãos, quando esse número poderá ser ampliado.
 
     Estas famílias serão selecionadas, capacitadas e acompanhadas pela equipe técnica específica do Programa, a qual estará capacitada para realizar o serviço.
 
     Entre os princípios que qualificam este trabalho fundamenta-se, dentre outros aspectos, que um ambiente familiar saudável é o melhor lugar para o desenvolvimento da criança e do adolescente. 

 

OBJETIVOS DO PROGRAMA FAMÍLIA ACOLHEDORA

ACOLHER em ambiente familiar e dispensar cuidados individualizados para crianças e adolescentes em medida de proteção;
 

POSSIBILITAR a convivência comunitária e o acesso aos serviços públicos e privados, quando necessário;

CONTRIBUIR na superação da situação vivida pelas crianças e pelos adolescentes com menor grau de sofrimento e perda;

PROPICIAR  um ambiente sadio para a preservação e a reconstrução de vínculos, com o resguardo do direito ao desenvolvimento pleno;

ASSEGURAR, preferencialmente, a reintegração familiar, viabilizando o retorno seguro ao núcleo de origem ou a colocação em família substituta, se for o caso.

           

FAMÍLIA ACOLHEDORA NÃO É ADOÇÃO

      O acolhimento familiar é uma medida de proteção temporária, podendo, ao final deste período, a criança ou adolescente ser reintegrado à família de origem. Para que ocorra o acolhimento nesta modalidade o Juiz da Infância e da Juventude emite um termo de guarda provisória para família acolhedora, previamente cadastrada no programa e acompanhada pela equipe técnica.
 
      Na adoção, a família de origem perde o poder familiar sobre a criança ou adolescente, sendo inseridos em família substituta cadastrada no Cadastro Nacional da Adoção.
 
 

TEMPO DETERMINDADO E PROVISÓRIO     

       A criança ou adolescente ficará afastada da sua família de origem o menor tempo possível. Todos os esforços serão empreendidos para superar as dificuldades que culminaram no afastamento e na impossibilidade deste retorno serão inseridas em família substituta. 
 

CRITÉRIOS PARA SER UMA FAMÍLIA ACOLHEDORA

         - Disponibilidade afetiva;
         - Ser maior de idade;
         - Residir em Porto Alegre;
         - Estar em boas condições de saúde física e mental;
         - Não possuir antecedentes criminais;
         - Concordância de todos os membros da família.
         - Possuir uma convivência familiar estável e livre de pessoas dependentes de substâncias entorpecentes.
         - Não estar inserido no Cadastro Nacional da Adoção-CNA
 

ONDE SE CADASTRAR?

As famílias interessadas devem entrar em contato com o Abrigo João Paulo II
 para agendarmos uma entrevista
pelo telefone (51) 997252653 ou Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo. ou