Formação continuada aborda etapas do desenvolvimento da criança e do adolescente

      Nos dias 10 e 12 de junho, o Abrigo João Paulo II promoveu mais um encontro de formação continuada a todos os colaboradores da instituição. O evento teve como tema "As etapas do desenvolvimento da criança e do adolescente" e foi realizado no salão de eventos da FUNDATEC-Fundação Universidade Empresa de Tecnologia e Ciências, em Porto Alegre.
 
     O encontro foi ministrado pela psicóloga Andréa Kotzian Pereira, Mestre em Psicologia Clínica pela PUCRS e Especialista em Psicoterapia Psicanalítica de Crianças e Adolescentes pelo CEAPIA - Centro de Estudos, Atendimento e Pesquisa da Infância e da Adolescência. Com contribuições da psicóloga Valéria Araújo, também do CEAPIA. Inicialmente, foi proposto  ao grupo, uma dinâmica com a construção de um cartaz de uma linha temporal da evolução da criança e do adolescente.  Ao final da dinâmica, cada grupo apresentou o que discutiu,  as trocas de experiências e as dificuldades encontradas.
 
      Andréia iniciou a apresentação: mudanças ao longo do ciclo de vida, referente à idade, aos efeitos culturais e de grupo e às mudanças individuais. O tempo real e a diferença entre o tempo psíquico, sendo avaliadas as capacidades de perceber, sentir e pensar. Também comentou sobre a personalidade de cada indivíduo e a importância do ambiente, dos pais/educadores, nutrição afetiva, segurança-resiliência, criança e fatores constitucionais.
 
    Sobre a teoria do Apego, Andréia explicou: "Essa teoria propõe que as crianças se apegam instintivamente a quem cuida delas, com a finalidade de sobreviverem, incluindo o desenvolvimento físico, social e emocional. A necessidade de segurança e proteção são fatores primordiais para o desenvolvimento"
 
    Para complementar essa teoria, Andréia apresentou os tipos de apego. No Apego Seguro: o adulto dá a segurança quando a criança precisa, estar disponível afetivamente e proporciona momentos de estabilidade emocional, de confiança. Já no Apego Ansioso: o adulto tem uma postura ansiosa, de superproteção e controle e cuidados exagerados. No Apego Evitativo: o adulto tem uma relação mais distante, não entra em contato com as necessidades afetivas da criança. E no Apego Desorganizado: o adulto passa uma instabilidade muito grande, gerando a falta de confiança e de previsibilidade.
 
   Este é o terceiro encontro realizado por meio da participação de um edital, de 2018, organizado pela Secretaria de Desenvolvimento Social, Trabalho, Justiça e Direitos Humanos do RS, por meio do Termo de Colaboração - FPE Nº 1957/2018 FECA- Fundo Estadual da Criança e do Adolescente promovido pelo  CEDICA (Conselho Estadual Dos Direitos Da Criança e Do Adolescente do RS) com o propósito de captar recursos para proporcionar capacitações aos colaboradores durante doze meses, proporcionando um local adequado e a presença de profissionais específicos que abordarão temas voltados à área do acolhimento institucional.
 
   O Abrigo João Paulo II agradece os momentos enriquecedores que Andréa proporcionou ao grupo, pois espaços de reflexão e conhecimento são fundamentais para aprimorar o trabalho dos colaboradores na instituição.