Simbologia Calabriana foi tema do retiro para colaboradores do AJPII

      No dia 21 de maio, foi realizado um retiro espiritual para todos os colaboradores da sede administrativa e equipe técnica. O tema foi a Simbologia Calabriana e a mensagem que esta traz para a vida atual. O encontro foi na unidade ULNA, do Abrigo João Paulo II, em Viamão.
 
      Pe. Gustavo Bonassi, membro do Conselho de Delegação da Congregação dos Pobres Servos da Divina Providência e coordenador do Seminário Apostólico Nossa Senhora de Caravaggio no município de Farroupilha/RS. Proferiu a apresentação de algumas simbologias que São João Calábria utilizava como forma de reforçar os ensinamentos do Evangelho e divulgar a sua espiritualidade.
 
        Dentre as inúmeras simbologias, foram apresentados: o Barco/Trem; Raízes voltadas para o céu; Farol; Sal e Luz; Rádio; Trapos e Argila; Reservatórios e Canais. Pe. Gustavo destacou trechos das cartas que Calábria deixou escrito com a explicação e fundamentação teórica de cada um, promoveu a reflexão e a conexão destes símbolos no dia a dia de cada colaborador junto ao seu trabalho na instituição.
 
        Foi realizada a dinâmica da pedra, onde cada colaborador deveria escolher um dos símbolos que mais representasse o seu trabalho na instituição e escrevesse na pedra, após cada um partilhou. E a simbologia que mais foi escolhida pelos colaboradores foi Trapos e Argila, pois Calábria dizia: " Vivamos, ó queridos, como trapos, como argila nas mãos da Divina Providência. As coisas temporais, os meios humanos... nem pensemos nisso, pois são coisas supérfluas que a nossa boa Mãe, a Divina Providência, nos dá desde que nós busquemos o reino de Deus e sua Justiça. Se nos mantivermos fiéis a esse programa, faremos o mundo ficar  melhor ..." .
 
        Trapos e Argila significam a fé e o abandono em Deus particularmente nos momentos difíceis e tanto o trapo quanto a argila são maleáveis e podem se adaptar conforme a necessidade. Como é o trabalho no Abrigo que dependendo da situação do acolhido é imprescindível a adaptação do colaborador, e há uma constante mudança, crescimento frente as realidades vivenciadas e para que isso aconteça a maleabilidade é um fator fundamental para a realização de um bom trabalho de acolhimento.
 
         No segundo momento Pe. Gustavo dividiu o grupo em seis pequenos grupos para a discussão do texto Módulo III - Para que o mundo creia. Foram propostos três questionamentos: O modo como fazemos a Obra Calabriana?; Como somos gratos? e Quais as obras boas? 
 
        Para fazer o fechamento do dia destinado a reflexão e oração foi celebrada a santa missa com a presença de todos.
 
        O Abrigo João Paulo II agradece a presença do Pe. Gustavo e de alguns seminaristas que propiciaram momentos de união, reflexão e animação evangélica.