Curso para Magistrados teve participação de acolhidos do AJPII

        No dia 12 de setembro, três acolhidos das casas-lares do Abrigo João Paulo II participaram do Curso de Atualização para Magistrados - Infância e Juventude, na Escola da AJURIS/CJUD. Na ocasião os jovens adolescentes falaram sobre suas experiências no acolhimento e trajetória de vida.

        O curso teve duração de três dias e reuniu inúmeros juízes da área da infância e juventude. Na cerimônia de abertura o Desembargador Carlos Eduardo Zietlow Duro, Presidente do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul, deu as boas-vindas e motivou a realização de debates e aprofundamento dos estudos de casos para a melhoria contínua da magistratura, e destacou a importância dos CAMs para o aprimoramento da prestação jurisdicional.

           Os acolhidos das casas-lares, Esmeralda, Marcos e Rafael, participaram durante o evento relatando um pouco de suas vidas e experiências no acolhimento institucional. Também comentaram sobre seus projetos futuros e as conquistas que já tiveram com a conclusão de cursos e a iniciação no mercado de trabalho.

         A CAM Infância e Juventude - está sob a coordenação das Juízas de Direito Nara Cristina Neumann Cano Saraiva e Clarissa Costa de Lima, sob o patrocínio da Corregedoria-Geral da Justiça, o Desembargador sublinhou tratar-se de um tema sensível e importante socialmente.

         Durante o evento a Corregedora-Geral da Justiça, Desembargadora Denise Oliveira Cezar, citou o aplicativo para a adoção, lançado recentemente em parceria com a PUCRS, como uma iniciativa positiva do Judiciário gaúcho, mas que não se esgota em si. Segundo ela, o assunto é de caráter continuado e tem de prosseguir com outras ações.

          Estavam presentes na mesa de abertura, além do Presidente do TJ e da Corregedora, o Vice-Diretor da Escola, Roberto Ludwig, o Vice-Presidente  da AJURIS, Orlando Faccini Neto, e o Diretor do Foro da Comarca de Porto Alegre, Juiz de Direito, Amadeo Ramella Buttelli.

          Ao final do encontro os jovens receberam um certificado de participação do evento como incentivadores do debate e o aprofundamento das questões de estudos dos magistrados em relação ao acolhimento da infância e juventude no estado do Rio Grande do Sul.

           O Abrigo João Paulo II agradece o convite e a oportunidade de contribuir com os estudos dos magistrados, e também de apresentar o fruto do trabalho que é realizado na instituição, pois os jovens que estiveram presentes estão em acolhimentos há alguns anos.