O papel e a missão dos educadores residentes na visão de Calábria

         Nos dias 02 e 03 de agosto, foi realizado o encontro de formação continuada com todos os colaboradores do Abrigo João Paulo II, na sede administrativa, em Porto Alegre. O encontro contou com a presença de Dom Jailton Lino que aprofundou o tema "O papel e a missão do educador e do casal social junto aos acolhidos na visão de São João Calábria".

         Dom Jailton, foi religioso da congregação dos Pobres Servos e atualmente é  Bispo de Teixeira de Freitas/BA e, iniciou a motivação do encontro com uma reflexão de Santa Clara a respeito da essência "Nunca percam o ponto de partida" e relembrou o surgimento da Obra de Calábria, o ponto de partida da obra e seus princípios.

          Ele comentou "Calábria não perguntou ao menino se era católico ou se tinha outra religião, e mesmo assim o acolheu com muita consideração, pois o que importa é a pessoa. E assim nós devemos acolher as pessoas e resgatar a dignidade e a cidadania", e também mencionou "nós devemos sempre retornar ao ponto de partida, os casados devem relembrar quando se conheceram, os primeiros olhares e pontos marcantes da vida como o nascimento dos filhos e tantos acontecimentos, pois retornar a esses pontos nos fortalece e são fundamentais para a nossa construção emocional"

           Quando Calábria ficou órgão de seu pai, aos 11 anos de idade, sua mãe lhe disse "Deus é seu pai e nunca vai te abandonar, pois ele cuida de nós", este foi o início da confiança na providência e a certeza que Deus é nosso pai e que cuida de seus filhos, sendo todos irmão.

           Durante o encontro Dom Jailton contou sua experiência de cuidados, no início das atividades do Albergue João Paulo II, pois na época estava no terceiro ano do ensino médio. Recordou quando percorriam às ruas do centro de Porto Alegre para acolher os meninos. " Aqueles meninos não tinham mãe, nem pai, nem ninguém por eles e hoje é semelhante. Vocês educadores devem desenvolver a maternagem e a paternagem, pois eles precisam desse amor, porém se torna perigoso é muito tênue essa relação entre os acolhidos e os cuidadores. Que trabalho difícil esse o de vocês, pois além de trabalhar com as coisas externas como roupas, alimentação, cuidado coma casa também e principalmente das coisas internas, das emoções e dos conflitos".

          Dom Jailton também comentou "o vosso trabalho é o de criar oportunidades para ressignificar a história desses acolhidos e também a de cada um de vocês, pois estamos em constante transformação, pois a história não nos determina, a mudança amplia e nos faz crescer"

      No encerramento do encontro Dom Jailton comentou "Este é o melhor trabalho que podemos fazer para a humanidade. Devemos fazer bem e trabalharmos para ser cada vez melhor, somos um sinal uma presença capaz de transformar cada acolhido e ressignificar seus sentimentos e convicções."

        O Abrigo João Paulo II agradece a presença e o carinho de Dom Jailton e desejamos muito sucesso em sua missão e caminhada junto aos cidadãos de Teixeira de Freitas.