Abrigo participa de reunião pública sobre o Marco Regulatório

        No dia 23 de agosto, o Abrigo João Paulo II esteve representado por Jurema da Silva e Bruna Monteiro, do setor administrativo da instituição, na reunião pública para debater o marco regulatório da assistência social, que ocorreu no plenário da câmara municipal de Porto Alegre.
       A reunião foi coordenada pelo presidente do Legislativo, vereador Cassio Trogildo (PTB), e teve a presença do Solimar Amaro, presidente da FASC - Fundação de Assistência Social e da Cidadania de Porto Alegre e de diversas Organizações Sociais Civis (OSC). 
 
    Após amplo debate com as autoridades e entidade ficaram estabelecidas algumas Normas técnicas, Segundo secretário-adjunto municipal de Relações Institucionais e Articulação Política, Carlos Siegle, o Executivo tem por objetivo migrar para a nova regulamentação trabalhando com uma norma técnica, padronizando as secretarias "para que as entidades possam manter a parceria de forma eficiente e regulatória". De acordo com ele,  ?o esforço é ir até o máximo nas condições previstas pela Prefeitura, para que se possa manter a parceria com as entidades prestadoras de serviços, porém todas terão que estar regulamentadas dentro dos critérios previstos?. Serão realizadas as seguintes ações:
      - A formulação de um edital de credenciamento com as OSCs (critério para a parceira), para o controle de critérios atendidos pelas organizações e para conhecer as principais dificuldades enfrentadas por cada entidade. O objetivo é fazer um mapeamento para a padronização;
      -A formação de um grupo de trabalho reunindo todos os setores do Município que possam ajudar na regulamentação;
      -A necessidade de participação do Corpo de Bombeiros para a efetivação do alvará do Plano de Proteção Contra Incêndio (PPCI);
     - Estabelecimento de um período de transição para que não haja a perda da parceria (até dezembro de 2017);
     - Automatização do sistema de prestação de contas.
 
      O Abrigo João Paulo II juntamente com as demais instituições sociais busca a regulamentação e normatização para que possa efetuar o serviço de acolhimentoinstitucional em parceria com a prefeitura e visando sua missão que é ?Acolher e atender crianças e adolescentes, cujos direitos foram violados, promovendo proteção e acompanhamento de seu desenvolvimento, com vistas a reintegração familiar e comunitária.?